sábado, 30 de julho de 2016

Meu tempo é aqui e agora

O meu tempo é aqui e agora
o ontem segue esmaecendo e já há alguns passos de distância de um passado que me consumiu. Começo a renascer, começa em mim um processo de gênesis impulsiva, de uma transformação agora menos instável e complexa.

Ontem enquanto pegava fogo não sentia o tempo passar entorpecido por doses letais de solidão e desprazer de uma vida medíocre. Ainda volto lá na Velha estradinha de chão, o asfalto adiante, a igreja na beirada da pista dá início ao estreito corredor que leva direto para uma grande casa com dois enormes jambeiros apontados para o céu na entrada formando o grande portal de entrada até a residência. O cachorro deitado embaixo do banco, cabeça baixa sobre as patas, ares de tristeza e tédio o consumia, sento ao seu lado e passo as pernas por sobre seu pelo negro, é um belo cão, meio indiferente talvez por isso goste tanto de esta a seu lado.

O meu tempo é aqui e agora
estou a imaginar o momento em que não mais será, enquanto sobrevivo carrego o peso de tentar vencer a memória do ontem feito nódoa nos meus pensamentos, manchas que surgem e me trazem tristeza e pesar de um tempo que poderia ter sido e não foi.

O meu tempo é aqui e agora
e nesse tempo reconheço o momento conveniente para buscar e alcançar as glórias que abdiquei no passado em que decidi lutar para libertar primeiro minhas concepções de respirar a vida como pensada no alvorecer dos vinte anos.

"Seu tempo é agora" já me dissera um grande amigo e irmão. É, meu tempo é esse que se forma incerto como céu escuro as quatro da tarde anunciando dilúvio, esse é meu tempo onde a dúvida morre aos poucos e a certeza do ponto adiante se consagra, o corpo se prepara para a travessia perigosa de um novo olhar para mundo, para os seres humanos, para mim mesmo. O calabouço se abriu e o tempo aqui fora, aqui e agora é mais bonito do que imaginara.        

Nenhum comentário:

Postar um comentário