quinta-feira, 10 de março de 2016

Inflando bobagens



Essa sociedade de loucos tecnológicos surge com novidades a todo instante, é um mundo de poucas grandes ideias e muitas bobagens. As pessoas estão sendo levadas, na verdade estão caminhando por conta própria "servidão voluntária" como bem diz o historiador Leandro karnal, estão tecendo sem parar bobagens uma atrás da outra e o curioso é a dimensão dessas bobagens no cotidiano. Um grande exemplo está na ideia de mudar os nomes das escolas, vira um debate acalorado entre aqueles que concordam com a mudança porque segundo declamam em alto e bom "não podemos reverenciar ditadores" como se isso importasse já que o ambiente escolar ainda é um ambiente de ditadura e prisão sufocante. E é exatamente nesse ponto onde quero tocar, pegar uma bobagem como a mudança de um nome de escola e transformar num grande debate e logo depois vir a mudança, enquanto existe uma educação deficitária em todos os sentidos e não existe se quer um debate quanto mais mudança, a ideia dessa sociedade atual é a de inflar bobagens enquanto as coisas importantes seguem seu fluxo sem resultados satisfatórios, esquecidos no canto da ignorância midiática e das irresponsabilidades dos seres pensantes representantes dos cidadãos e dos próprios cidadãos enquanto seres de diálogos. O processo de inflamar bobagens serve somente para fazer esquecer os reais problemas que merecem destaque, mas que são desinteressantes para a classe de burgueses fascistas do nosso país.

Sinceramente tenho nojo dessa sociedade que infla bobagens, precisamos evoluir como seres pensantes para fazer escolhas decentes, para sentar e discutir um problema entre tantos, mas não quando o assunto é saber se haverá festa ou não no carnaval as pessoas se mobilizam, se o idiota ou a idiota confinados devem ou não abandonar o programa as pessoas baixam o aplicativo e votam, sobre o kit gay, do ser ou não ser gay, hétero, bissexual, sobre biografia não autorizada, se meu time será campeão, se foi ou não falta em cima do beque, foda-se existem problemas mais importantes do que mudar um nome de escola,  questão como o novo remédio contra o câncer fosfoetanolamina que está amenizando as dores de muitos pacientes, mas por questão comerciárias a ANVISA proíbe a liberação, sabemos como a indústria farmacêutica trabalha em relação a esses assuntos que envolvem lucros absurdos. É esse tipo de problema que merece debate e solução rápida, ao em vez de ficarmos imersos em bolhas de bobagens vamos acordar para o tempo presente e lutar por coisas realmente importantes para o social, para o todo, para o país e deixemos de ser essa raça andante para abismos de suposições e bobagens midiáticas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário