sábado, 4 de outubro de 2014

Refletindo o "eterno retorno"


Deve-se pensar em Nietzsche como um ser ultramoderno. Quando você diz que traz pensamentos desagradáveis é porque você está diante de uma coisa fantástica chamada criação, Nietzsche pariu o eterno retorno e não existe aquele que olhe o eterno retorno e não sinta um calafrio na espinha dorsal. Todos vivemos e queremos viver mais, sempre mais, como estamos vivendo e se estamos satisfeitos com aquilo de produzimos. A questão é olhar para o universo e enxergar a nós mesmo, pois somos cria dele, temos um universo interior igualmente complexo.

O "eterno retorno" é belamente sufocante.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário