sábado, 6 de setembro de 2014

Os prantos de uma vida à toa



Não, homens não choram!
Mas quantas vezes já chorei na imensidão escura do meu ser
Nas horas livres de investigação da alma;
Na fatia triste de algumas canções de Pink Floyd;
Como não chorar com “wish you were here”
Nas próprias cenas acidas do filme “O império do sol” onde o valente
Garotinho com seu kadilac prata caçando a porteira de sua gaiola.
E como o valente garotinho do filme aprendo uma nova palavra todo dia
Ponho-as em práticas e sufoco a mim mesmo
aprendo a sonhar desaprendendo a viver;
Sou ilustrador do tempo incomum, incabível em mim mesmo corro todos os dias para o ponto de partida o tiro não soa, então retorno ao santuário dos sonhadores. Um dia era manhã ensolarada um passarinho apossou-se de mim, Mas não era nada, avisou-me que para possuir asas era preciso saber equilibrar-se nas alturas do mundo. Um dia eu chorei, era noite de lua um cisco estelar entrou em meus olhos Eu todo alumbrado naveguei em prantos. O imaginário transgredindo alavancando as horas, trabalhando sem cessar. O mundo a dois passos da destruição e um homem não pode chorar.
Um pedaço de mim ainda é pranto o outro é solidão dos espaços que ainda não construir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário