sábado, 31 de maio de 2014

Pensamentos que andam


O ser pensante, o ser que pensa constantemente sabe que os pensamentos caminham até a infinidade, mas que chegam em um determinado momento que o pensador encontra-se num beco sem saída, percorreu todos os atalhos possíveis e chegou em um ponto crítico, chegou num ponto onde o ir adiante é impossibilitado pela falta de novos caminhos, de novas brechas, acabou de perder a crença no amanhã. Voltar é impossível porque ele já não acredita mais por onde passou, perdeu a confiança nos atalhos por onde fez caminhos. O que fazer? É a pergunta que o atormentara para resto da vida. Muitos estacionam exatamente no ponto crítico nem vai adiante nem volta, é o mesmo caminho ninguém volta a acreditar no terreno improdutivo por onde já teve a infelicidade de plantar e nada colher. Outros procuram de qualquer forma acreditar em alguma coisa como um caminho alternativo, mesmo um grão de areia é alvo fácil para se tornar digno de uma fé ferrenha e sem limites. Existem ainda aqueles que decidem renunciar a vida com uma morte voluntaria. Chegar ao ponto crítico para um pensador é o maior dos desafios e pode-se dizer: a vida caminhará por um fio.