domingo, 23 de março de 2014

Os jesuítas e a “boa nova”



A primeira coisa que os jesuítas fizeram ao desembarcar em terras brasileiras e avistarem os selvagem e inocentes indígenas foi pisar no deus dos selvagens e instituir o deus judaico-cristão. É a partir desse momento que começa a escravidão. A catequese foi o ponto principal para servidão que perduraria até a princesa Isabel e a lei áurea. Hoje as crianças são direcionadas para a igreja católica em busca do catecismo, eis um legado deixado pelos jesuítas: a servidão catequista. Que tipo de pais permitem que seus filhos sejam manipulados dessa forma por uma doutrina que causou tanta dor, que escravizou e escraviza. As crianças não sabem mais usurpam sua liberdade antes mesmo de alcançar a razão para a escolha que condiz com seus pensamentos mais verdadeiros. Os índios eram crianças aos olhos dos catequistas e criança é muito mais fácil de enganar, pois esses não possuem armas verbais para contra-atacar os farsantes. Muitas criancinhas por ai não sabem que a “primeira comunhão” é um ato de covardia contra a liberdade, contra a razão. Se o jesuíta algum dia foi santo com certeza existiram ou existem demônios.

***

Catecismo do latim tadio catechismus, por sua vez originado do termo grego κατηχισμός, derivado do verbo κατηχέω que significa "instruir a viva voz" (Wikipédia)

Catequese do latim tadio catechesis, por sua vez do grego κατήχησις, derivado do verbo κατηχέω que significa "instruir a viva voz" (Wikipédia)

quinta-feira, 20 de março de 2014

Tudo menos...

Ir a igreja e fazer a barba são duas coisas que se me pedirem eu não faço. A igreja por que lá é o inicio do caminhar para traz, e a barba porque a natureza modela primordialmente, gosto das modelagens simples e naturais.

Para todo o resto damos um jeito.

domingo, 9 de março de 2014

O sentido das coisas


Tudo é uma farsa nojenta, mas uma hora a mascara cai e sedento ficara o chão onde pisas. O céu é o maior espaço que temos e mesmo assim ainda o manipulamos para aumentar as vantagens dos nossos pulos sobre a maioria. Não é ser livre é ser indecente. Toda essa camuflagem por de traz da real loucura do mundo aqui e agora, o mundo futuro que anda para traz, cada dia mais me convenço que o futuro é para traz e toda essa loucura não me convence mais.

As pessoas enlouqueceram geral, movidas pelo poder de compra que se agiganta sobre o mundo, esquecem de olhar para adiante com mais naturalidade e simplicidade, esquecem de conduzir os menores da maneira correta, de maneira a alcançar os reais caminhos para desenvolvimento intelectual natural do ser. Se não é para ser você que não seja fielmente aos seus parâmetros morais. Nada deve burlar aquilo que temos dentro da gente, nada deve nós corromper.

A vida, o mundo total parece um jogo, na verdade um programa de computador no qual somos bonecos manipuláveis . cada vez mais “matrix” faz mais sentido, parece que todos estão em transe profundo, os donos do jogo por saber os atalhos jogam confortavelmente, estão em qualquer lugar e dominam aqueles que se sobressaem. Os donos do jogos caminham livremente por ai, enquanto a maioria vive como se nada ocorresse diante dos seus olhos. “O mundo como representação” , o ser humano como fantoche bonachão de uma animação cômica chefiada pelo sistema.

Tudo não passa de uma farsa nojenta e dolorosa, tudo não passa de uma gargalhada profunda. Você vai e volta nessa vida cruel e não entende o sentido das coisas, se elas não quisessem ser entendidas não estariam ali, mas elas estão ali, por que estão ali?