sábado, 12 de outubro de 2013

Certo e errado

Poderíamos pelo menos criar nosso próprio sofrimento ao em vez de copiar os sofrimentos dos outros. Somos tão insignificantes assim que nem sofrer a própria maneira sabemos mais? Tornar-se o outro pela necessidade de aplausos e bajulações diversas. Ser alegre e amontoar-se ao bando de fingidores profissionais, fingir quase que diariamente estar tudo bem, pois ninguém aqui é Voltaire com seu falso dizer otimista e nada vai bem. O que nos diz o guru da boa convivência? Que devemos fazer o que achamos certo? Porque não calas? Fazer o que se acha certo nos levaria para o fim de nos mesmo. Temos que destruir o certo porque foi fundando sob uma moral de sanguessugas, temos que destruir os valores de certo e errado porque foram instituídos no sangue, na mentira e na opressão da mente, do corpo, do ser. O que é certo diante de tanta contradição? Venha e lhe direi como caminhar com os próprios pés ao lado da própria sombra. Venha vamos juntos cair num abismo onde o medo é prazeroso e o conceito de certo e errado é reinstituído.

Nenhum comentário:

Postar um comentário