domingo, 1 de setembro de 2013

O dilema do sistema de ensino no século XXI



Quem são os verdadeiros educadores hoje?
O que se quer saber na verdade é se existem condições para se formar ainda verdadeiros educadores. Os últimos educadores comprometidos com a arte de educar que se tem evidência foram lá do final do século passado para inicio deste século. Só aqueles educadores anteriores aos anos dois mil tem alguma coisa a ensinar. A educação nunca foi tão desmerecida mesmo sendo alvo de tanta discussão, talvez seja porque discutimos de mais sobre o que fazer e esquecemo-nos de melhora-la.

Em quinze anos vimos à educação rastejar, em quinze anos não se fala outra coisa se não “um país só cresce se investir na educação” nunca saímos disso, nunca pagamos pra ver valer essa máxima, nunca apostamos um centavo se quer nessa máxima, vira e mexe estar-se a mendigar outra vez por paliativos que surtam ilusórias melhorias. O sistema de ensino brasileiro é uma bagunça, as escolas em ruínas, educadores mal remunerados, péssimas qualidade dos formandos em licenciatura, ruptura no sistema de seleção natural dos melhores é o mercado agora que seleciona, e seleciona mal, pois querem pessoas qualificadas e não educadas, instruídas, preparadas.

A crise do saber carrega junto à crise do ser, a crise do permitir deixar-se manipular pela tecnologia. Tudo tem um limite. O ser humano não pode deixar de pensar porque a maquina faz isso por ele. É, é isso mesmo o ser humano deixou de sentir-se obrigado a pensar e uma febre chamada idiotia tem dia após dia se firmado entre nós. É uma doença quase imortal ela se alastra por meio das tecnologias portáteis, infiltra-se em seu celebro, amolece-o de forma a deixa-lo completamente demente, dependente em completa idiotia mesmo a ponto de passar horas em um mesmo lugar mexendo apenas os músculos dos dedos com series incontroláveis de repetições que acabam atrofiando-os. Engraçado, somos manipulados por tecnologias todo tempo, na sala de aula o professor discorre sobre um assunto interessante o telefone toca você sai para atender, ou sua atenção está voltada para as fofocas das redes sociais nos tablet e notebooks, ou jogar virtualmente seja mais interessante.

A tecnologia nos domina porque permitimos no exato momento que decidimos ser mais importância dar atenção a um simples aparelho celular do que a uma conversa legal entre amigos, um debate importante em sala de aula, uma conversa com o professor ou com os pais. Ela nós domina porque ainda não aprendemos a verdade sobre o saber. A educação é refém das tecnologias portáteis por isso tem que se repensar em maneiras de dominarmos ela e não ela dominar a humanidade. É a questão do vicio, você acaba fazendo isso tantas vezes por dia que fica dependente, torna-se parte da sua rotina imperceptivelmente, seu cérebro vai se tornando inútil, acostumados às facilidades, o cérebro logo começa a falhar rotineiramente e então manifestar-se a idiotia que se alastra rapidamente por entre seus hábitos diários e na verdade é assim que quer o mercado mais pessoas dependentes dela. Informatização uma das nossas grandes conquistas e a única que nos destruirá. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário