domingo, 30 de janeiro de 2011

Saramago e eu

Eu me considero o náufrago de um barco que afunda. A pessoa está a ponto de se afogar, mas há uma tábua a que se segura. É a tábua dos princípios. Todo o resto pode desmoronar, mas, agarrado a ela, o náufrago chegará a uma praia. E, depois, com essa tábua, poderá construir outro barco, evitando cometer os erros de antes. Com esse barco tentará chegar a outro porto.

                            José Saramago, do livro As palavras de Saramago

Sempre carreguei comigo o pensamento de que um ser de princípios nunca se afoga em um mar de falsidade, mentiras, desilusão, irresponsabilidade, canalhice, em fim no mundo inteiro. É preciso princípios para viver fora de tudo isso e principalmente não afundar para ancorar sempre que puder em um porto de humanismo verdadeiro.
                                                                                         Sedentário

3 comentários:

  1. ilegal

    cada um carrega o que pode...

    os princípios afogam-se nos mares da fome

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Errado. Se o ser humano ainda almeja buscar alguma coisa de utíl em seu semelhante ou se almeja não igualar-se a ele em certos conceitos que levam para raz é de fundamental importancia os princípios. Mesmo que não seja para buscar alguma coisa que valha a pena, mas os princípios é porta voz de um ser suncinto e equilibrado. Um mundo mais humano necessita de princípios meu caro e ainda há qum não permita o afogamento dos princípios nos mares da fome.

    ResponderExcluir