quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Homo religiosus



E quanto aos profetas que sussurram: “isso é certo, esse é o caminho, siga-o”. Pobre daquele que ouve um profeta falar e aplaude, pois ele é um mouco equivocado. Todo profeta tem o lado pratico de enganar e fazer cair os louvores em sua graça. Pergunto-me: “até quando essa história vai continuar corrompendo as pessoas, será que só 27 ou 30% do racional e da visão de todos os seres humanos é que funcionam. Será que já não basta provar que é a terra que gira ao redor do sol, como o cristianismo é insistente, como os religiosos são insistentes em uma ideia anêmica.

Essas raízes vigorosas do sistema de seitas que prende as mentes fracas e destrói toda razão, toda forma de entendimento lógico das coisas, toda visão purificada, reverte o ser natural, animal, parte da natureza para uma espécie desconhecida de otimistas retrógrados e sonhadores insanos capazes de querer o que não lhes cabes, essa espécie de homo religiosus que impregna qualquer ambiente com a forma jocosa de adoração só leva ao parasitismo e a doença moral, a sociedade está doente, moralmente doente e rejeitando remédio. Para o ser humano só resta encostar a cabeça em seus travesseiros de tormentos.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Perguntas de um Operário Letrado




Quem construiu Tebas, a das sete portas?
Nos livros vem o nome dos reis,
Mas foram os reis que transportaram as pedras?
Babilónia, tantas vezes destruida,
Quem outras tantas a reconstruiu? Em que casas
Da Lima Dourada moravam seus obreiros?
No dia em que ficou pronta a Muralha da China para onde
Foram os seus pedreiros? A grande Roma
Está cheia de arcos de triunfo. Quem os ergueu? Sobre quem
Triunfaram os Césares? A tão cantada Bizâncio
Sò tinha palácios
Para os seus habitantes? Até a legendária Atlântida
Na noite em que o mar a engoliu
Viu afogados gritar por seus escravos.

O jovem Alexandre conquistou as Indias
Sózinho?
César venceu os gauleses.
Nem sequer tinha um cozinheiro ao seu serviço?
Quando a sua armada se afundou Filipe de Espanha
Chorou. E ninguém mais?
Frederico II ganhou a guerra dos sete anos
Quem mais a ganhou?

Em cada página uma vitòria.
Quem cozinhava os festins?
Em cada década um grande homem.
Quem pagava as despesas?

Tantas histórias
Quantas perguntas

                                           Bertold Brecht

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Do livro AS PALAVRAS DE SARAMAGO

"Penso que para se ser um ateu coerente faz falta um alto grau de religiosidade. O ateísmo não é incompatível com uma postura religiosa. Nem se trata de substituir Deus pela humanidade. É mais um sentimento de uma grandeza imensa que tem a ver com o Universo. E isto é suficiente, por que ainda que eu não coloque Deus nesse Universo, a minha posição é o que chamamos de transcedente, uma palavra que se costuma ultilizar pensando em Deus e que eu utilizo noutra direção. O que me transcede é a matéria, a terra, toda ela, com os seus mares e as suas multidões. E a minha religiosidade começa, se você preferir, na relação que tenho com o meu país."

José Saramago

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

A atual filosofia


E a filosofia que foi ainda é? Ou estão espremendo as agonias de uma sociedade que não cansa de evoluir? Os filósofos atuais se é que existem vivem da filosofia póstuma, pois a filosofia atual não vale nada, vivem das sobras que o passado deixou. Esse século não trouxe nada de saudável para uma filosofia apreciável, nada de inspirador, de motivador é a velha e empoeirada filosofia que ainda inspira, os velhos filólogos, as velhas receitas de pensar. A nova forma de pensamento envergonha de tão vago que é, de tão sujo pelo desespero de repousar na mídia que como um lobo devora rápido e transforma em reles ovelhinha.

Canso de presenciar tanta bobagem reunida em início de século, perco até vontade de visitar uma livraria, uma banca de revistas. Os imitadores de filósofos não sabem mais o que escrever não pensam sem antes voltar seu olhar para o devir. É uma verdadeira parafernália pensamentista, um vulcão cuspindo ignorância e despejando a larva fria dos instintos relaxados. A filosofia virou cinzas por que ela vai em busca do que é verdadeiro e hoje não se sabe mais o que realmente é verdadeiro, a filosofia sempre foi a dissecadora da moral e de suas compilações e hoje a moral é a lama onde se sustentam os porcos, a moral de hoje é uma moral doente, sifilítica dela já não se espera mais nada, nunca se esperou muita coisa.

A filosofia só existiu por que existia também uma utopia de verdade a ser alcançada. Essa utopia deixou de ser alimentada, logo, o ser humano percebeu que não passa de horizonte a utopia clamada em todo passado. A filosofia não é mais vulcão agora é cinzeiro onde se depositam as cinzas de um presente onde reina a ciência e a tecnologia em um alto processo de avanço nas profundezas dos mistérios.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Tudo foi abaixo quando o homem descobriu a ilusão ao apontar para cima PARAÍSO=DEUS e para baixo INFERNO=DIABO.

domingo, 28 de agosto de 2011

Do conto O HORLA Gui de Maupassant

Desde que o homem começou a pensar, desde que conseguiu expressar e anotar os pensamentos, tem-se sentido próximo a um mistério inacessível a seus sentidos incompletos e imperfeitos. Procura, então, suprir a ineficiência dos sentidos por meio do intelecto. Enquanto o intelecto manteve-se em um estágio rudimentar, as aparições dos espíritos invisíveis assumiam formas comuns, embora assustadoras. Daí surgiu a crença popular no sobrenatural, as lendas das almas penadas, fadas, gnomos, fantasmas, posso mesmo dizer, a lenda de Deus, pois nossa concepção do artífice-criador, seja qual for a religião que no-la transmitiu, é certamente a mais vulgar, estúpida e inacreditável invenção que já saiu do cérebro amedrontado dos seres humanos.

Do conto O HORLA Gui de Maupassant

O populacho é um imbecil rebanho de carneiros, de uma paciência estúpida ou com uma revolta feroz. Digam-lhe: "Divirtam-se", e o povo se diverte. Digam-lhe: "Vão lutar com o vizinho", e o povo vai e luta. Digam-lhe: "Votem pelo imperador", e o povo vota pelo imperador. Então digam-lhe: "Votem pela República". E o povo vota pela República.Os que dirigem o povo também são estúpidos, só que, ao invés de obedecer aos homens, obedecem aos princípios que só podem ser estúpidos, estéreis e falsos, pela simples razão de serem princípios, isto é, idéias consideradas como certas e imutáveis, neste mundo, onde não se tem certeza de nada, já que a luz é uma ilusão, já que o barulho é uma ilusão.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

O silêncio da boca devastadora




O que mais devemos temer são as bocas silenciosas, as línguas mumificadas, o pouco interesse das expressões faciais, o semblante pálido e tímido. O que mais alegra meus ouvidos são os trovões inesperados que saem das bocas tímidas. A grande fera liberada. Como um urso depois de um longo inverno que sai de sua toca faminto para caçar. Não ver medo nos olhos, não sente qualquer repudia em palavras, o brado mais pavoroso em verdade e fúria sem qualquer parcimônia pelos momentos de silêncio absoluto.

O que mais temo em um homem é seu silêncio, o homem pensante a maioria das vezes carrega o silêncio no mais alto grau de fidelidade, come todos os ensinamentos, reprime o revidar até certo ponto e solta o trovão dos mais agudos quando tocam em seu ponto mais fraco, em seu calo mais doloroso, quando alguém tenta de forma descabida distorcer seu caminho. A lucidez fala por ele, a decência e a clareza tornam-no inatingível e inequívoco, a autenticidade revela-se e não mais desaparece. Espero sempre ouvir um ser silencioso trovejar, mas em tempos de euforia midiática, de venda de imagem, de alvoroço hormonal tão pouco vejo seres com instintos trovadorescos.

sábado, 13 de agosto de 2011

A África de sempre


Não existe imagem mais dolorosa do que essa. Este Queniano chora pela morte de sua irmã de um ano por fome, é de mais para os meus olhos. A África sofre a pior crise de fome da história e conta com a ajuda de todos os países para saciar sua fome em um momento de crise nos Estados Unidos e nas bolsas de valores dos países da Europa, Ásia e América Latina. A vida é isso ai enquanto uns choram por falta de sustentação, vândalos ingleses destroem suas cidades por simples ignorância. O sofrimento na África ultrapassa os limites da simples razão. Infelizmente esse não será o último choro desse Queniano.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Tempo camuflado de ontem




Lá fora hoje é um dia frio
O tempo anda tão frio ultimamente
Sei lá um tempo tão mentiroso, falso ao extremo
Já não é mais a hegemonia do improvável,
agora tudo tem seu conteúdo escancarado apressadamente.
O provável não se discute mais sob dúvidas e anseios.
A um clima de insegurança no ar, a um muro de balburdia
Se formando entre as nações, os bárbaros estão próximos do retorno.
A violência, a desordem, o desrespeito isso tudo são sintomas
De uma guerra recém iniciada de inversão de valores,
Estamos novamente tomando o rumo errado e a história se fará
A mesma sob sangue e ossos.
A terra treme, o homem com seu caráter e impulsão para guerra não muda.
As novas tabuas que Nietzsche mencionara não vieram ou ainda não funcionam.
Os velhos trovões dos instintos continuam assombrando a maioria.
O sagrado é uma vergonha e a fé uma flor em fim de primavera.

sábado, 16 de julho de 2011

Deus, entre outros inconvenientes

Um cacique, portanto, sob as vestes de um economista de Chicago. Essa é, de fato, a única imagem moral com a qual consigo representar o pai eterno a partir de sua descrição na bíblia e nos evangelhos. Ou seja, se a história é mesmo verdadeira, eu estou definitivamente frito.

Retirado do livro Deus, entre outros inconvenientes  Xavier Rubert de Ventós

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Sussurros

Meus olhos enxergam e aceitam o pequeno com tamanha grandeza
e importância que vai além da minha própria racionalidade.
O pequeno que a maioria das vezes é desprezado pela manada
Simplesmente por que leva em si a repulsão da aparência.
E é basicamente nisso que me atrai o pequeno.

O pequeno, não o simples a uma larga diferença
de ideias entre essas duas palavras.
A sempre que desconfiar quando
uma maioria toma o mesmo caminho
e esse mesmo caminho tem uma certa
pequenez de valores levados
a sério como verdades absolutas.
Não se deve tomar nada como absoluto,
de absoluto temos apenas a morte,
mas não impede que tenhamos a lógica, o racional
Direcionado na melhor posição da bússola do pensamento
que é a parte provável de certa veracidade.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Burburinho do silêncio




Que todos gritem com o fervor da vida
Que todos zombem;
Pulem;
Vibrem;
Aplaudam;
Que todos marchem até o esplendor
Nos trilhos que levam a lugar nenhum.
Alguns choram outros dançam;
Muitos falam outros mentem;
Poucos voltam à multidão permanece
No gozo da vida sem vida.
Um estalo;
Um estouro;
Um grito;
Uma gargalhada.
Ouço apenas o silêncio. Mais nada.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

A Criação de Deus como Trovão aos Instintos

Uma obrigação para com Deus: esta ideia foi porém o instrumento de tortura. Imaginou-se Deus como um contraste dos seus próprios instintos animais (do homem) e irresistíveis e deste modo transformou estes instintos em faltas para com Deus, hostilidade, rebelião contra o «Senhor», «Pai» e «Princípio do mundo», e colocando-se galantemente entre «Deus» e o «Diabo» negou a Natureza para afirmar o real, o vivo, overdadeiro Deus, Deus santo, Deus justo, Deus castigador, Deus sobrenatural, suplício infinito, inferno, grandeza incomensurável do castigo e da falta. Há uma espécie de demência da vontade nesta crueldade psíquica. Esta vontade de se achar culpado e réprobo até ao infinito; esta vontade de ver-se castigado eternamente; esta vontade de tornar funesto o profundo sentimento de todas as coisas e de fechar a saída deste labirinto de ideias fixas; esta vontade de erigir um ideal, o ideal de «Deus santo, santo, santo», para dar-se meçhor conta da própria indignidade absoluta... Oh, triste e louca besta humana!

A que imaginações contra natura, a que paroxismo de demência, a que a bestialidade de ideia se deixa arrastar, quando se lhe impede ser besta de acção!... Tudo isto é muito interessante, mas quando se olha para o fundo deste abismo, sentem-se vertigens de tristeza enervante. Não há dúvida de que isto é uma doença, a mais terrível que tem havido entre os homens e aquele cujos ouvidos sejam capazes de ouvir, nesta negra noite de tortura e de absurdo, o grito de amor, o grito de êxtase e de desejo, o grito de redenção por amor, será presa de horror invencível... Há tantas coisas no homem que infudem espanto! Foi por tanto tempo a terra um asilo de dementes!

Friedrich Nietzsche, in 'A Genealogia da Moral'

terça-feira, 28 de junho de 2011

Instituições de ensino

Nos últimos anos nossas instituições de ensinos vêm sofrendo uma onda de barbárie que é inadmissível em um lugar que tem como missão formar indivíduos indeléveis na arte de salvaguardar valores. Não vejo mais algumas escolas brasileiras como locais adequados para confinar uma criança por quatro ou cincos horas por dia. Os nossos governantes não garantem nem educação de qualidade, nem segurança, nem respeito pelos educadores, nem sinceridade nas suas pregações falsas pré-eleitorais. Não, de forma alguma que se deve confiar mais no tipo de aprendizado que os jovens estão recebendo nas escolas é visível a precariedade do ensino brasileiro, é inacreditável a inversão das causas atualmente em nossa sociedade onde a pretensão de um pai em se colocar um filho dentro da escola seria para aprender pelo menos alguns valores básicos, mas elas saem pela porta das instituições inegavelmente trôpegas sem se quer saber a diferença entre mal e mau. Por essas e outras razões é que os educadores de berço são peças fundamentais na estrutura de formação dos jovens brasileiros de hoje em diante. Eles precisam mais do que nunca de uma infância e pré-adolescência com um planejamento de ponta.    

quinta-feira, 23 de junho de 2011

A fera dentro de ti


Essa fera que se revela por alguns minutos é importante, é essa fera que faz nascer sua vontade de viver, por que ela luta contra a fragilidade e imbecilidade que se manifesta constantemente. Não vejo necessidade alguma de esconder a fera que a dentro da gente, isso fortalece e deixa bem claro: Não me compre como hipócrita, afaste-se de mim anomalias perversas.

domingo, 19 de junho de 2011

Impulso criativo



Todos os impulsos nascem de uma explosão devastadora de ideias e o impulso criativo é um dos mecanismos complexos que só os grandes seres sabem manusear de forma pura e correta, de forma a beneficiar não somente ao próprio bem estar interior, mas a toda uma parcela de apreciadores das grandes criações.  Os poetas são os que mais sabem como funciona tal mecanismo, pois existe no interior do poeta certa vontade de criação interminável que se alastra para toda forma de percepção, admiração as coisas, visualização e fixação. O olhar determina o grau maciço da vontade de criar e o corpo sob influência da eletricidade do pensamento faz mover ideias e mais ideias sem parar. A propulsão da criação deixa rastros que não se apagam jamais, carrega a vontade e transforma o criador em um ser diferente dos demais, torna o ser confiante, aplicado e educado em sua e nas demais artes. O impulso criativo transforma um espírito.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Aos adoradores



Não me venha com essa pobreza de espírito dentro de uma mala sem fundo ao falar de paraíso. Fale-me do inferno, pois o inferno se ajusta perfeitamente dentro de tua bagagem.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Hitchens Contestador

Só aqueles que esperam transformar os seres humanos é que terminam por queimá-los, como refugo de um, experimento fracassado.

Conheci muitos homens e mulheres valentes, moralmente superiores a mim, que têm na fé a fonte da sua coragem na adversidade. Mas quando decidem falar ou escrever sobre isso, fico chocado com o declínio instantâneo de seus padrões intelectuais e morais.

Tem sido bastante observado que as grandes religiões não podem fazer nenhum relato convincente do paraíso. Elas se saem muito melhor ao representar o inferno.

Se eu for estúpido ou mal-educado, ningém sofre senão eu mesmo. Diante de questão "Quem você pensa que é?", eu posso rebater tranquilamente: "Quem é você para perguntar?".

Christopher Hitchens - Cartas a um jovem contestador

Do falso

Se os homens quisessem se sobressair somente, por seus próprios talentos e seguindo seus deveres, não haveria nada de falso em seu gosto e em sua conduta; eles se mostrariam como são; julgariam as coisas com suas luzes e a elas se apegariam pela razão; haveria proporção entre sua visão e seus sentimentos; seu gosto seria verdadeiro, viria deles e não dos outros, e eles o seguiriam por escolha e não por costume ou por acaso.

La Rochefoucauld - Máximas e Reflexões

Relato

Só confiei em um homem até hoje: Meu pai. E mesmo assim ainda não lhe passei todas as minhas confidências.

domingo, 22 de maio de 2011

ENGENHEIROS DO HAWAII

video


Engenheiros do Hawaii é uma banda que merecia mais destaque pela inteligencia musical que carrega. As letras de Gessinger são incriveis ele soube unir alguns instrumentos que deixaram cada música com um toque muito especial. Por exemplo: A gaita e o piano. As músicas com qualquer um desses instrumentos inspira e alimenta a alma. Entre as bandas de rock brasileiras Engenheiros do Hawaii tem um toque especial e chama a atenção pelo som e a letra. É imprescindivel não realçar a inteligência de HUMBERTO GESSINGER.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Nietzsche educador


Pensam o contrário, mas tem sim senhor por parte dos seres instruídos uma linguagem diferente, um modo de pensar completo e definido e um equilíbrio na estrutura verbal e psíquica quando se tem Nietzsche na cabeceira.     

sábado, 7 de maio de 2011

Minhas paixões

Todos nós temos varias paixões nessa vida. Resumo-me em duas: matemática e a filosofia nietzschiana. O que as duas têm em comum? Diversas afirmações verdadeiras. Por exemplo: 2 + 2 = 4 e “Deus está morto”.

terça-feira, 3 de maio de 2011

1º de maio


Não quero vangloriar-me com o ato de caridade que pretendo descrever aqui. Quero apenas deixar clara a existência de humanismo ainda nessa sociedade injusta, inconsequente e desproporcional em se tratando de renda distribuída. Se eu não fosse ateu e possuísse a hipocrisia crônica da maioria dos seres de fé teria aumentado com certeza a minha carga de crença em um ser todo-poderoso. Eis o fato: hoje ao sair do trabalho resolvi voltar para casa a pé, gosto de andar a pé os pensamentos fluem melhor e com frequência e também odeio esperar ônibus não suporto a demora nem a lotação. Ao som de Engenheiros do Hawaii caminho vagarosamente é domingo e como todo domingo há poucas pessoas nas ruas, poucos carros passando, um silêncio indeterminado. De repente uma mulher me chama, uma senhora magra, com estatura mediana, face pálida, voz trêmula e expressão angustiante. “Moço, moço eu sei que o senhor é uma pessoa humilde, desculpe tomar seu tempo é que fui na padaria comprar pão mais o dinheiro não deu só tenho cinqüenta centavos o senhor poderia me ajudar” não demorei a responder claro! Claro vamos lá. “Eu moro logo ali sou catadora de latas. Juntei bastante hoje, vim da Paraíba”. A senhora veio sozinha? “Não tem meu filho e meus irmãos. Obrigado ta moço, obrigado ainda bem que o senhor apareceu já não sabia o que fazer eu vim da Paraíba, tenho AIDS é tenho AIDS, mas não pega ta, não posso mastigar quebrei o maxilar toque aqui, bem aqui”. Não consegui sentir nada, mas ela me ofereceu um pedaço de pão enrolado em um plástico que ela tentava mastigar e não conseguia.

Fomos até a padaria, pedir que escolhesse o pão ela escolheu pão doce, pegou leite, açúcar, fósforo, sabonete e uma broa de milho. Ela pulava meio que ansiosa para talvez matar a fome, a expressão dela era de fome. O fato é que ela já estava desiludida quanto ao fato de passar a manhã com fome e não esperava surgir do nada tal possibilidade e isso a fez parecer uma criança toda feliz quando ganha um doce. Já ajudei outras pessoas mais nunca vi diante dos meus olhos alguém com tamanha alegria porque iria ganhar um pão, porque iria tomar café da manhã, porque teria o estomago ressarcido por mais vinte e quatro horas.

Um religioso diria: foi Deus que te pôs na vida daquela infeliz. Se meu modo de pensar levasse em conta tal ilusão e rejeitasse a característica genética recebida pelos meus descendentes acreditaria com certeza em tais religiosos. Mais uma vez deixo bem claro que não quero vangloriar-me com tal ato de caridade. Quero apenas deixar escancarado que qualquer ser ganhando um, dois, três ou dez salários mínimos podem fazer de uma sociedade esquecida uma sociedade mais humana e coletiva.

A imagem dessa mulher não sairá jamais da minha cabeça. Ela me fez perceber o quanto vivo bem, mesmo com um salário mínimo. Muitos reivindicam isso e aquilo buscando sempre o lucro, buscando sempre a riqueza, o exagero. A questão não é ser rico, pois a maior riqueza é o que desabrocha dentro de cada um com tamanha intensidade e fúria para fazer sorrir o próximo. A questão é fazer sempre brotar dentro de ti o humanismo necessário para erguer uma sociedade menos decadente. Hoje, primeiro de maio e meu trabalho nunca foi tão leve e fácil. O trabalho de humanizar e tornar a sociedade menos egoísta. Como diria o Capitão Birobidjan*: “o que é meu é teu, o que é teu é meu”.

*Capitão Birobidjan personagem do livro O EXÉRCITO DE UM HOMEM SÓ de Moacyr Scliar.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Em braços de gigante


Meu instinto me diz que devo fugir constantemente
Dos homens que falam sem noção.
Pensamentos gotejam novidades rebuscadas ao longo
Do tempo que me faz retirante de um passado e
Presente indigno de novas auroras.

Entre o sistema inesgotável de mascara abastecido
Pelo poder do capitalismo. Uma grande maioria
Conforma-se é a grande maioria sustentada por batinas
E velhas leis mastigadas há milênios, causando danos
Físicos e morais. Sois tolos demais para acreditares
Nas páginas empoeiradas pelo pó da mais-valia.

É preciso algo bem mais concreto para explicar
A complexibilidade de todo universo. Além do
Universo dentro da gente que é inexplicável
Dentro da lógica do crer e não crer. São cobaias
De uma doutrina paralitica sem lógica é preciso
A lógica para fazer de qualquer doutrina infalível.

Meus instintos me dizem que a luz em algum lugar
E que o caminho é cansativo, mas é digno de água
Doce quando se alcança o que até o momento era
Considerado inalcançável, merece até um descanso
Quando se ultrapassa os limites dos pensamentos
Para se chegar aonde nunca ninguém jamais sentiu
O prazer de estar. Nos braços do gigante adormecido
Em verdades.

terça-feira, 19 de abril de 2011

Princípios morais


Habitar um sistema em que os preceitos morais não são seguidos nem no pior nem no melhor momento acaba quebrando o encanto de ser o limpo em qualquer ambiente, mas infelizmente não funciona assim. É sabido que todo sistema é falho e por ele corre o veneno da arrogância, da hipocrisia, da falta de bons modos, da fantasia dos direitos e deveres. Esses os fatores quebradores de encanto. É necessária a consciência de que os princípios morais é uma coisa que nasce com o ser não é algo que se adquire a qualquer hora, de qualquer jeito, em qualquer lugar. É como uma macieira tem seu lugar e tempo certo para dar frutos. A verdade é que ter princípios morais dentro de sistemas incapazes de mantê-los é como andar por entre jardins sem respeitar os espaços feitos para circulação. Toda a moral é pisoteada por seres sem resistência para carregá-la, toda moral enterrada pela velha e nova geração. Hoje o que mais sabemos é que princípios morais não se compram, não se ganha, não se faz. Se é agraciado desde o princípio da vida até o fim se houver coragem e resistência. O que eu quero dizer é que a saga de qualquer ser humano para carregar princípios morais até o esgotamento da vida é um processo árduo e complicado poucos, muito poucos, pouquíssimos conseguiram e não me peçam exemplos.

terça-feira, 12 de abril de 2011

O NÁUFRAGO da humanidade



Vejo em O NÁUFRAGO a humanidade inteira. Tom Hanks no papel de Chuck Noland um inspetor da Federal Express (FedEx), multinacional encarregada de enviar cargas e correspondências. Quando em uma de suas viagens sofre um acidente aéreo e cai em alto mar indo parar em uma ilha completamente desabitada, desprovida de qualquer contato humano, tendo assim que lutar pela sua sobrevivência. Então logo ele percebe o quanto o nada assusta e esse nada chega a assustar ao ponto de fazê-lo criar um ser imaginário o WILSON para que tenha alguém onde deposite suas magoas, desesperos, suas loucuras e dores.

Quando digo que vejo no NÁUFRAGO a humanidade inteira é por que assim como Chuck Noland não suportou o vazio e o nada em sua volta se desesperou e então criou o WILSON para não mais se sentir só. Com a humanidade foi à mesma coisa a inquietação do não querer aceitar o nada, a inconformidade com o vazio, com a realidade de não existir outra vida pós-morte em um mundo aparente. Todas essas perturbações levaram o homem a criar também WILSONS que até hoje são exaltados pelo mundo afora.

A humanidade com alguns de seus conceitos de aceitação do irreal carrega correspondências à vida inteira de geração a geração sem nem se quer haver destinatários.

sábado, 9 de abril de 2011

Um minuto de silêncio


Eu como sou um critico feroz de qualquer forma de religião deixo bem claro o que muitos já disseram e dizem e o que a história nós mostra até hoje:  RELIGIÃO MATA. O homem criou Deus e essa sim é uma arma perigosíssima.

Agora, um minuto de silêncio pelas crianças que nada tinham a ver com os problemas de um resignado.

Saramagueando


A humanidade nunca foi educada para paz, mas sim para a guerra e o conflito. O "outro" é sempre potencialmente o inimigo. Estamos a milhares e milhares de anos nisso.

                                             ***
O que está em causa não é a violência, é a crueldade. Violenta é toda natureza. Para que eu coma meu filé, tenho que matar um boi. Nós, seres humanos, os tais seres racionais, inventamos a crueldade. Portanto, é sobre a crueldade que deveriamos discutir. Quando começamos a discutir sobre a crueldade, o problema da violência se resolve.

                                             ***
O mundo seria muito mais pacífico se todos fôssemos ateus. 

                                             ***
Os problemas de Deus não me preocupam. Preocupam-me os problemas dos homens que inventaram um Deus que não faz mais que nos fazer passar péssimos bocados. Talvez Deus exista - eu não creio -, mas não tem sentido que nos matemos em nome de Deus.

                                             ***
Dentro de nós há uma coisa que não tem nome. É o que somos. 

                                                         AS PALAVRAS DE SARAMAGO, Fernando Gómez Aguilera

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Da psicologia


“O direito de impor castigos corporais, outorgado a um sobre o outro, é uma das pragas da sociedade, é um dos meios mais poderosos para aniquilar nela todo o germe do civismo e a base completa para sua dissolução inevitável e infalível.  DOSTOIÉVSKI em Memórias da casa dos mortos

Todo ser natural de princípios que tem no peito o humanismo ainda luzente em tempos de congestão raivosa precisam urgentemente ler MEMÓRIAS DA CASA DOS MORTOS. Não houve e ainda não há romancista com a psicologia de DOSTOIÉVSKI.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

A religião é nada diante do raciocínio em pé


Essa ideia de que a igreja liberta ou previne o jovem das drogas, do vicio, do crime ou de qualquer forma de perversão da alma é pura balela. Não posso acatar uma ideia tão covarde como essa tendo em vista minha própria vida. O fato de uma pessoa ao entrar para uma religião qualquer deixar de se mutilar no sentido dos vícios não quer dizer nada, esse foi um dos milhares de meios possiveis para se tornar uma pessoa saudável, equilibrada e sociável. E sinceramente ponho em último lugar ou talvez anule o fator religião como meio de se reorganizar. Simplesmente pelo fato da religião também ser um vicio prejudicial à vida.

Criei-me com total liberdade para escolher meu próprio caminho a interferência de meus pais eram apenas em conselhos, excelentes conselhos, ou seja, a sociedade me abriu várias portas e entre elas sempre estão escancaradas as portas das drogas, da desumanidade, do desrespeito, do vandalismo, da desorganização do corpo e da mente. Mas ao lado dessas portas abrem-se também outras portas a da simplicidade, do respeito para com meus semelhantes, do trabalho digno e honesto, da harmonia com pais. E nunca precisei de religião para trilhar meu próprio caminho com respeito, dignidade, liberdade e muita consciência.

Para se manter distantes das deformidades da vida o que prevalece é o seu instinto de repudio a elas, é a sua capacidade de indisponibilidades, é sua racionalidade em pé. O grande homem é o mastro que mesmo em tempos difíceis permanece erguido. Para os que entram pelas portas escancaradas e acham que a religião é a única esperança pode até ser, mas a alienação tomará conta do seu ser. Livrou-se de um incomodo e aprisionou-se em outro. Não é de forma alguma a fé que cura ou que liberta de qualquer tipo de incomodo em vida é a capacidade de usar o raciocínio em horas de extrema fraqueza. O que prevalece é o equilíbrio do que se pensa na hora em que se precisa. Esqueça a religião e exercite o raciocínio.



terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Se a música realmente alimenta o espírito


Devemos aos instrumentos e aos seus instrumentistas alguns momentos de beleza e supremacia em harmonia musical. Momento único em que a alma se ver satisfeita e vestida de uma armadura contra o aborrecimento e as atribulações corriqueiras do espaço em volta. Atribui-se não somente a poesia o mérito de fortificar nobre e humildemente o espírito humano. A música faz nascer àquela ponta de tranquilidade repentina no coração, nos ânimos e nas articulações que acompanha constantemente a sonoridade no vácuo. Do criador que faz dos pensamentos melodias, longas melodias de prazer, tranquilizante das almas presas e libertas, dos sonhadores e dos racionalistas, dos grandes e dos pequenos devemos nossa gratidão.

É impossível não amolecer o coração com a música perfeita que primeiro é captada pela audição e depois levada até o cérebro para que identifique e reconheça classificando como som aprazível. Impossível o coração não amolecer com o som das teclas de um piano ou das cordas de um violino em uma orquestra tocando um clássico imortal de algum gênio que se foi. Um sax tocando é maravilhoso, com ele consegue ir o mais profundo possível por que o sax tem aquela coisa de esforço para poder fazer sair o som e tudo que é feito com determinado esforço tem aquela ponta de perfeição. O som do sax gerado do sopro unindo-se aos outros instrumentos torna-se tão sublime quanto os demais.

A música traz o que nenhuma outra forma de arte faz ressuscitar: aquela vontade de permanecer altivo para resto da vida, permanecer suspenso, é, a música faz levitar, além de trazer certa liberdade incrustada no eco, não no eco, no canto, no acompanhamento do som nominal, no impulso inocente de movimentar os lábios fazendo escapar a pureza de entre os dentes tímidos. A música traz aquele assobio inesperado que se prolonga a uma vasta e indeterminada distância, trás lembranças de muito tempo atrás e por um instante revolve-as, renova e as leva embora novamente. O remédio tem a incumbência de curar as dores do corpo sendo indispensável para o ser humano assim como a música que tem como tarefa curar as dores da alma elevando o espírito para onde corre a tranquilidade.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Homem de natureza livre


O ser que possui fé, que exalta-se sempre para seu semelhante
Esse cresce pouco e desordenado. É improdutivo logicamente pensando,
Ele perece nos esteios da fé, ele se martiriza e fenece.
A fé faz do ser humano agente reprimido da sociedade em que vive
Pois a paixão dar e tira, tira mais do que oferece.
Enquanto o homem de fé se põe de joelhos para agradecer ao invisível
O pouco que possui ou alimentar-se de provisões futuras.
O outro a quem chamam de incrédulo, que é contrario, o sem fé.
Esse ao em vez de fé tem vontade, tem o sim e o não, ele o sem paixão.
Aquele que é sagaz, que anda na direção do pote de ouro, aquele
Que precisa necessariamente se preocupar com as formigas ordeiras
Primeiro para só depois derrubar o urso feroz.
Falo do homem sem fé. Ele não precisa de fé, ele odeia atraso,
Fé é atraso, ele repudia humilhação e ficar de joelhos diante do nada
É humilhação, pura humilhação.
Ao em vez de ajoelhar-se ante a uma imagem sem expressão
Ele prefere seguir adiante, ele anda para frente não para nunca,
Pois ele almeja alcançar as montanhas, ele quer os Alpes,
busca o movimento e vislumbra seu reinado de liberdade.
A natureza se manifesta a favor dos homens sem fé.
Quem precisa de fé? O corpo é forte e robusto o bastante para
Ir além do que se imagina. O homem de fé permanece em inércia,
Em seu subsolo. Já o homem de natureza livre corre atrás de seus
Desejos. O homem sem fé é saudável, higiênico, livre de qualquer
Pensamento viral. Ele simplesmente nasce para habitar as montanhas.

domingo, 30 de janeiro de 2011

Saramago e eu

Eu me considero o náufrago de um barco que afunda. A pessoa está a ponto de se afogar, mas há uma tábua a que se segura. É a tábua dos princípios. Todo o resto pode desmoronar, mas, agarrado a ela, o náufrago chegará a uma praia. E, depois, com essa tábua, poderá construir outro barco, evitando cometer os erros de antes. Com esse barco tentará chegar a outro porto.

                            José Saramago, do livro As palavras de Saramago

Sempre carreguei comigo o pensamento de que um ser de princípios nunca se afoga em um mar de falsidade, mentiras, desilusão, irresponsabilidade, canalhice, em fim no mundo inteiro. É preciso princípios para viver fora de tudo isso e principalmente não afundar para ancorar sempre que puder em um porto de humanismo verdadeiro.
                                                                                         Sedentário

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

O artífice superior


O artesão em seu momento de criação busca sempre a perfeição, para ele não serve um objeto mal acabado, torto, desviado de sua forma natural. O artesão trabalha para criar um objeto que cause espanto de tão perfeito, que roube os olhares dos admiradores, que torne a imagem do criador referência na arte em si. Se o objeto acabado fica imperfeito o artesão cuida imediatamente de acertar suas imperfeições, pois ele é o criador, logo ele sabe como tirar as imperfeições. É assim com os engenheiros, com os pintores, com os carpinteiros é assim com todos os criadores. Todos buscam a sublimidade de cada criação em particular, por que só serão reconhecidos e aplaudidos se a criação tiver um toque de perfeição. Então surge a pergunta: aonde ele quer chegar com tudo isso? Quero chegar ao cerne da questão referente à Genesis. Não posso aplaudir um criador todo poderoso tomado como supremo que não teve a competência de criar seres perfeitos, ah tá! Pode ter havido um problema com a mágica e alguns saíram imperfeitos, mas ele é o criador logo ele sabe e pode concertar as imperfeições, ele tem o poder para isso, assim como um artesão pega o jarro que sai torto e consegue dar formas diferentes o criador supremo e todo poderoso poderia ter alinhado ou atribuído formas menos monstruosas em um Hitler talvez ou não? A imaginação segue causando espanto...

sábado, 8 de janeiro de 2011

Quando os homens choram


Consigo enxergar uma ponta da verdadeira dor no homem. Àquela que nasce do medo e também da covardia indecente. Quando eles põe as lágrimas para fora despejam junto uma certa vontade de piedade, mas a também aqueles que despejam líquidos inflamáveis por que passaram a habitar uma camada de lama e esses choram pela renovação, pela vida limpa, pela vontade de limpeza da alma e do corpo. O choro é a resposta explícita para os que têm asco da expressão piedosa do rosto, para os homens forte que sentem vergonha de molhar o rosto, para os pais machões que dizem para os seus filhos “só as mulheres choram” o choro bate na cara do homem forte e fraco. Não vou mentir que vejo no choro a fraqueza e causa danos a alma do homem robusto, mas não posso ter a audácia de dizer que não choro ou que nunca chorarei.

Imagine então assistir o choro de um carrasco. Eu nunca assistir mais posso afirmar que a profissão dele acaba no exato momento em que a primeira lagrima cai, a primeira lagrima é como o primeiro contato com a água fria quebra-se totalmente o vínculo com a parte quente em que se estava. As lagrimas caindo e lavando a alma do ser sujo é como a chuva torrencial nas ruas da cidade levando o lixo para o esgoto. Chorar pode representar falsidade no mais extremo processo de enganar seus telespectadores, chorar pode ser a dor de querer o impossível, de fingir ver e não ver, do ter e não ter, do está para lá da arrogância sentimental e do bom costume cerimonial da união dos seres, chorar pode vir a ser o medo que aperta os olhos na hora da morte, na contração ou rompimento dos músculos ou da carne. O homem chorando pode representar o novo em sua esfera de acontecimento acontecendo verdadeiramente ou o primeiro passo para uma violenta reviravolta e um desastroso caminhar para traz sempre repetindo a palavra “vingança” ou “a culpa é sua”.

Não consigo ver no homem é a inocência que só uma criança possui, mas quando ele chora não sei distinguir entre ele e uma criança, mesmo com toda falsidade exposta no rosto. Chorar para o ser humano significa arrependimento e quando se chega a isso forma-se outro ser, incapaz de enxergar a vida como ela realmente é, infelizmente ele perde a coragem e a vontade em troca da força e do arrependimento divino. Dessa forma para cair em uma armadilha não precisa dar mais que dois míseros passos. O choro do cansaço físico ou mental, da dor assolando o corpo físico ou sentimental, da vida que é de mais perversa para alguns infelizes, esse choro sim é aceito, mas o choro do arrependimento para mim é sinal de fraqueza, de incapacidade, de vontade de cair. O arrependimento muitas vezes é o alimento dos trocistas, dos canalhas e dos homens de batina.

Deve-se apenas chorar. Por que chorar faz bem para alma concreta e nunca fazer o que leve ao arrependimento, pois no arrependimento é onde está a lama da vergonha, da mentalidade duvidosa, do erro, da convulsão de piedade quixotesca. Chorar pelo motivo da dor ser demais para aguentar simplesmente, chorar por que o pensamento difícil de suportar vem à luz e deixa-o deprimido, chorar por que é preciso libertar do peito algumas dores descontroladas. Quando os homens choram vejo duas coisas: liberdade ou falsidade aliada a certo arrependimento sem justa causa.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

A corrida de táxi de PAUL ARDEN


Do livro EXPLICANDO DEUS NUMA CORRIDA DE TÁXI do escritor e publicitário PAUL ARDEN. Autor do best-seller mais vendido no mundo TUDO O QUE VOCÊ PENSA, PENSE AO CONTRÁRIO. O que pelo título já se pode imaginar o tamanho da hipocrisia.


O que acontece nessa corrida de táxi é o seguinte: o homem, o publicitário, o mito da ignorância mundial dono do livro mais vendido no mundo inteiro, esse escritor fantástico com sua genialidade fora do normal, com uma mente jamais vista, com uma capacidade de convencimento inexplicável acredita ter explicado deus numa simples corrida de táxi e a única coisa que ele deixa provado é a sua pequenez e a do seu deus. Continuem lendo...

A certos escritores que ultrapassam os limites de comicidade em relação à fé sustentada, penso eu que não a livro mais cômico que EXPLICANDO DEUS NUMA CORRIDA DE TÁXI de Paul Arden. O titulo já é uma afronta ridícula a toda a complexidade da vida e do universo em si e o desenrolar da história mostra que a simplicidade do Deus dele torna-o pequeno e vago. O seu pensamento em uma corrida de táxi só pende para o lado da improbabilidade da existência de um Deus seja ele qual for pela simples razão da grande complexidade do universo que seria preciso rodar o mundo inteiro de táxi para se explicar menos da metade do que existe no universo em total mistério.

"A maioria de nós precisa de algo espiritual em que acreditar. O homem não pode viver só de pão."


O típico argumento do religioso que não expande seus pensamentos em direção contrária com a finalidade de conhecer outras razões mais eficazes e lógicos. Quem falou que não podemos viver só de pão em se tratando de fé? Talvez ele não saiba mais tendo o pão por menor que seja e sem crer em algo espiritual sobrevive-se muito bem, o corpo em si só trabalha se for abastecido partindo para vertente do algo espiritual se não tem o pão, mas se tem fé são contados os dias para que seu sistema motor pare por falta de combustível. Nesse caso é supérflua a existência de fé sendo que ela não se sustenta por si só. Não precisa de algo espiritual para sustentar a existência humana visto que para eu crer em algo preciso que meu cérebro assim como o corpo esteja sempre funcionando e para que eles funcionem preciso de nutrientes com as vitaminas adequadas para o corpo. Conclusão, o pão é maior que a fé.

"Se rezamos por algo com bastante empenho e perseverança, geralmente conseguimos o que queremos."

Às vezes me pergunto quão é a arrogância das pessoas ao acreditarem que passando a maior parte da vida rezando traz algo de proveito. Acho que não seria necessária a medicina, a psicologia. Por que então perder tempo procurando uma cura para AIDS? Não deveria existir doença nenhuma, nem miséria, nem maldade pela quantidade de religião que existe na face da terra, não deveria existir nada que fosse prejudicial à vida. Se reza fosse eficaz a igualdade entre os seres seria uma virtude.

"A humanidade não quer realmente viver sem um Deus."

Na verdade a humanidade não quer aceitar a grande probabilidade da inexistência de um Deus, visto que o nada assusta, mas a realidade do universo e de Darwin não lhes deixam outras saída. A probabilidade da existência de Deus está em desvantagem, pois o avanço da ciência e tecnologia é um perigo para o clérigo, crentes, criacionistas e a maioria que crer em seres fantasmagóricos.

"A religião é uma lâmpada criada pelo homem para ajudá-lo a enxergar no escuro."

A religião foi à criação mais sanguinária e destruidora inventada pelo homem. Não, essa não foi de forma alguma uma criação para ajudar o homem a enxergar no escuro, foi criada para dominar os fracos e oprimidos, agrupá-los em rebanhos e fazer lavagem cerebral por influência de um livro de ficção. Sangue, corrupção, pedofilia, apedrejamento, mentira se isso é a luz para se enxergar no escuro, estamos perdidos.