sábado, 30 de outubro de 2010

A Verdade Está à Frente do Nosso Nariz

Nós já esquecemos completamente o axioma de que que a verdade é a coisa mais poética no mundo, especialmente no seu estado puro. Mais do que isso: é ainda mais fantástica que aquilo que a mente humana é capaz de fabricar ou conceber... de facto, os homens conseguiram finalmente ser bem sucedidos em converter tudo o que a mente humana é capaz de mentir e acreditar em algo mais compreensível que a verdade, e é isso que prevalece por todo o mundo. Durante séculos a verdade irá continuar à frente do nariz das pessoas mas estas não a tomarão: irão persegui-la através da fabricação, precisamente porque procuram algo fantástico e utópico.




Fiodor Dostoievski, in 'Diário de um Escitor'

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

A Memória é o Maior Tormento do Homem


Considera o rebanho que passa ao teu lado pastando: ele não sabe o que é ontem e o que é hoje; ele saltita de lá para cá, come, descansa, digere, saltita de novo; e assim de manhã até a noite, dia após dia; ligado de maneira fugaz por isto, nem melancólico nem enfadado. Ver isto desgosta duramente o homem porque ele vangloria-se da sua humanidade frente ao animal, embora olhe invejoso para a sua felicidade - pois o homem quer apenas isso, viver como animal, sem melancolia, sem dor; e o que quer entretanto em vão, porque não quer como o animal. O homem pergunta mesmo um dia ao animal: por que não falas sobre a tua felicidade e apenas me observas?

O animal quer também responder e falar, isso deve-se ao facto de que sempre se esquece do que queria dizer, mas também já esqueceu esta resposta e silencia: de tal modo que o homem se admira disso. Todavia, o homem também se admira de si mesmo por não poder aprender a esquecer e por sempre se ver novamente preso ao que passou: por mais longe e rápido que ele corra, a corrente corre junto. É um milagre: o instante em um átimo está aí, em um átimo já passou, antes um nada, depois um nada, retorna entretanto ainda como um fantasma e perturba a tranquilidade de um instante posterior. Incessantemente uma folha se destaca da roldana do tempo, cai e é carregada pelo vento - e, de repente, é trazida de volta ao colo do homem. Então, o homem diz:«eu lembro-me», e inveja o animal que imediatamente esquece e vê todo o instante realmente morrer imerso em névoa e noite e extinguir-se para sempre. Assim, o animal vive a-historicamente: ele passa pelo presente como um número, sem que reste uma estranha quebra.

Friedrich Nietzsche, in 'Segunda Consideração Intempestiva'

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

A moral política do século XXI


Política e moral dois conceitos infiéis as formas fajutas de princípios do ser humano que de forma alguma consegue entender a velha política de “pão e circo” que não fica velha nunca, apenas se transforma, se modifica e se encaixa aos padrões de vulgaridade dos donos do voto. A, mas nós temos a democracia e ela é poderosa – poderosa coisa nenhuma é utopia de vermes que pensam estarem exercendo seu direito e não vê o contraste entre a política que se defasa a cada avançar de século e o cidadão em constante adaptação a própria política imoral, ao próprio meio contaminado por sanguessugas do poder. O discurso perfeito, as promessas que nunca acabam e uma afanação que é de mais frustrante no meio político. Tenho pra mim que política é uma doença, doença que degenera a moral, que mata a moral e a ética sendo vedado o direito a evolução. Os homens dizem ter ética, moral e razão – razão pode sim ter, a razão clandestina e razão do existir, razão patriótica patética, o homem que despeja seu voto insano em qualquer espécie de políticos ele o é igual, ou seja, é porco e mesquinho. No meio político não existe moral nem ética e se existe moral e ética é a moral e ética deprimente de cada século que aflora em uma nova aurora. Se realmente existe uma política descente essa política ainda esta por vi e não virá com o mesmo nome de bando de aves de rapina vira com os conceitos morais jamais conhecido pelo homem, virá separada total e completamente da igreja. O que posso afirmar é que a única democracia que se pode levantar o chapéu é a democracia Européia lá as pessoas lutam por seus direitos a pau e pedra a soco e ponta pé, lá as pessoas distinguem bem política de moral e lavam bem a ética moral sob gritos de protestos, aqui o carnaval é o único protesto de uma liberdade suprema em que todos gritam: “Urino onde quero, faço sexo sem camisinha onde quero, uso as drogas que quero e vejo o bloco passar” o Brasileiro e sua conformidade ainda carregam o lema de “Sou brasileiro e não desisto nunca” sendo que o desistir ocorre quando abriga a moral profana que carregam nas costas largas de animais que suportam a carga conformadamente e o que se vê no alto? Homens do trono comendo da ignorância e conformação dos animais de costas larga.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

O sem Deus (Parte III)

Aos homens de moral, a pouca moral lógica que poucos conseguem domar e filtrar em uma espiritualidade completa de reação contra o improvável reinante. Aos domadores da moral lógica, da moral que derruba toda forma de teocracia, derruba a imoral e a ética corrompida, pois digo a vós que são entendedores da moral essencial ao conhecimento da verdade camuflada digo-lhes que ao sair de casa trajam-se com as armaduras da substancialidade capaz de derrubar cada deturpador de certezas, esses que comem todo dia no mesmo prato sujo da inverdade e fantasia. Maldito o homem que tropeça em sua própria visão, afoga-se em suas próprias lagrimas de desesperos e vivem de sua ébria falação em conceitos antigos, os conceitos ultrapassados de “deus”. Reforço a vós que és tegumentado com a pureza de cada informação filtrada ao andarem por entre os mórbidos se utilizem do urticante para qualquer forma de reação em forma de imbecilidade. Já a vós que pensam serem os entendedores das verdades absolutas digo-lhes que o conceito de verdade não cabe a morbidez pensante da existência humana. A verdade é alcançável apenas aqueles que se fazem completo pela virtude, pela essência e a vontade de aniquilar imagens divinizadas todo e quaisquer tipo de imagens abastada.


A filosofia panteísta é um dos retardamentos e regressão da humanidade, filosofia sofista essa filosofia, cujo conceito é de que deus é tudo aquilo que existe. Me faz ir bem além desse conceito e parto para o ataque com o seguinte conceito tomando em si o silogismo em que a premissa maior diz: Tudo aquilo que existe é Deus, o homem existe premissa menor, logo, o homem é Deus conclusão. Tendo em vista o caráter moral do homem em seu ser existencial o deus morre a cada ato brutal adotado pelo homem. Levando a premissa para contrapor com a criação dentro da Genesis que tem em uma de suas passagens a seguinte afirmação: “O homem é a imagem e semelhança de Deus” logo deus esta dentro do brutalismo do homem e vice versa percebemos assim uma lógica inexistente a criação de um ser superior, tentativa falha. Um ser superior espelhado no homem que é ébrio por total, que é danoso ao seu semelhante e a natureza, ele é antinatural por completo, ele é duvidoso e demasiado emético.


Quando saímos do plano imaginário e partimos para o plano real ninguém te ver, ninguém te ouve, ninguém te olha. Os joelhos estão firme em um altar levantado em cima de onomatopéias irritantes, as mãos se voltam para cima olho para cima o que vejo é a combinação de gases atmosféricos, além deles apenas o universo estrelado. Daí entra a educação fundamentada no básico desde o inicio, o corrompimento de pensamentos começa cedo o ensino mescla o fundamental e ensina o prejudicial. A sociedade sabe que uma mente dominada com certeza é uma mente simples e fraca não causará danos à estrutura levantada no processo de enganar. Toda classe sacerdotal que ditam regras em cima do altar sabem como fechar bem os olhos de seus fieis imbecis, torná-los mudos para qualquer revidação que possa comprometer toda a estrutura do templo, viver em conceitos antigos de “deus”, “Salvação”, “céu”, “inferno” principais armas de enganações dentro dos currais enlamaçados. Não posso aceitar um deus que está na boca de toda essa nação ingênua e néscia que em pleno século XXI ainda acreditam em paraíso acima de nossas cabeças e inferno abaixo dos nossos pés.

A moral dos homens reservados esses homens que se escondem do mundo por que sabem da doença nele existente e que essa doença vem do vírus que destrói todo tipo de virtude, todo tipo de reação contra as religiões que andam pondo abaixo a estrutura do planeta. Esses homens que existiram e existem e mais uma meia dúzia de seres inteligentes derrubarão sem piedade toda e qualquer forma de refutação.