domingo, 8 de agosto de 2010

É tudo asneiras


Deus disse: “Não roubarás”
e os seus devotos fazem isso com tanta naturalidade
que chegam a honrar com braço e palavras de ferro
O altar que sobem aos dias de culto e oração.
Os seus malfeitores burlam vinte e quatro horas por dia
essa ordem suprema de não cometer o ato dito pecado.


Deus disse: “Não matarás”
e, no entanto a regra da sobrevivência e do equilíbrio
do planeta diz o contrario “Mate se quiser viver”
e os matadores de plantão matam
por nada, matam em nome do próprio Deus, matam vestidos
com a túnica dita sagrada, matam da forma mais brutal
                                                                    [existente.
Os homens em nome de Deus deixam nas
encruzilhadas, na urbanização, nas águas fétidas do rio,
dos bares, nas ruas, nas próprias casas, nos morros
em qualquer lugar um cadáver sem preocupação por
está cometendo um pecado dito brutal.

Deus disse: “Não falaras mal de ninguém”
aquele que nunca falou mal de alguém pelas costas que atire
a primeira pedra. Não a um ser na face da terra que seja totalmente
justo, se houver que se manifeste com a habilidade teatral de encenar.
Aquele do ambiente de trabalho, ambiente diário exaustivo
aquele do vizinho ao lado que é sempre chato, aquele do amigo
que o trocou por outro sem mais nem menos, aquele que foi traído
e aquele que diariamente é humano e comete o ato dito pecado.


Deus disse: “Não mentirás”
esse é o pecado consumido no prato diário,
virou rotina, profissão virou vicio mentir.
E sem duvida alguma que a maioria das mentiras
as mais frajutas estão no altar sagrado
e como se mente nesses moquifos
ae dízimos e orações, nesses antros de porcarias,
nesses poços de arrecadação do capitalismo
descendente dos caminhos sujos,
nessas vielas imundas de pregações inventadas,
planejadas, invertebradas.
São nesses antros em que se cometem os atos ditos pecados.

Deus disse: “Não cobiçarás”
e nada é mais cobiçado que a mulher do próximo,

a riqueza do próximo,
a saúde do próximo, a felicidade do próximo,
a sabedoria do próximo,
a filha do próximo, tudo do próximo
é cobiçado sem sistema de culpa,
sem manifesto de renegação é natural olhar
e desejar a mulher do próximo
principalmente aquela com um corpo
que ultrapassa os limites da
Arquitetura perfeita.
É de olho grande no que pertence ao próximo
que se comete o ato dito pecado.

Deus disse. Acho que chega, ele já disse muita asneira,
existe um livro repleto de suas palavras de mestre,
reis dos reis e nada foi seguido, para um ser tão importante
e mais aclamado no mundo inteiroestá muito
sem força de aceitação quanto as suas ordenações.
Peço mais uma vez que jogue a primeira pedra
aquele obediente a fundo aos tais mandamentos ditos sagrados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário