quinta-feira, 22 de julho de 2010

Limpeza de chaminé


Ir ao espelho no final de cada dia
E confidenciar a sua semelhante imagem
Todos os distúrbios dos pensamentos
Em determinado dia, tudo o que faz
A cabeça parecer está cheia. Como se
Fosse uma lareira se não limpamos
A chaminé ela acumula sujeira e acaba

Não conseguindo expulsar a fumaça
E essa mesma fumaça ao invés de sair
Retorna para dentro causando mal estar
E desconforto para o interior. Nossa cabeça
É essa chaminé e se não eliminarmos
Todos os pensamentos que causa
Desconforto, que deprime que é danoso
Para o desenvolvimento da essência mental.
Acabamos por desenvolver o estresse
E ele se intensifica a cada acumulação
De sujeira mental.

Limpar chaminé e expulsar todo o pensamento
Sem proveito, aqueles inúteis, aqueles sem
Conjunção, sem articulação. Limpar chaminé
Eliminar o desconforto e proporcionar o surgimento
de novas idéias.


Titulo tirado do livro QUANDO NIETZSCHE CHOROU que em um dos capítulos Breuer médico Italiano e um dos pais da psicanálise, diz ter curado um paciente através do método da limpeza de chaminé. E que mais tarde no decorrer do livro ele mesmo se submeteria a esse processo sendo eficaz não só para ele, mas para Nietzsche também.

2 comentários:

  1. olá

    todo mundo acredita taer um martelo em maos para desconstruir... a sua forma de destruir é muito boa... eu procuro dar minhas marteladas comentando noticias bizarras.. tentando acha logica onde nao tem... se é q existe a tal da logica

    parabens pelo blog

    ResponderExcluir
  2. Muito da hora, cara, o teu blog. O que mais me chama a atenção em Nietzsche é a sua forma de filosofar com o martelo. Exímia forma por sinal. Descontruir para Construir.

    Eu já fui bastante Nietzscheano. Nietzsche ainda é um fantasma que me acompanha, entretanto, eu, hoje em dia, tenho muitas críticas com relação à sua filosofia. Hoje, sou mais schopenhaueriano.

    Mas, é importante falar que, apesar de ser um crítico de Nietzsche, não significa que não reconheça a significância de seu pensamento na história da filosofia.

    Até mais!

    ResponderExcluir