sexta-feira, 30 de julho de 2010

O brado do extemporâneo


Uma roda de amigos engravatados forma-se e sobre eles gira o assunto mórbido e decadente. Religião. Homens compartilham o mesmo pensar deflagrado e adulterado pelo sistema de conduta seguido a risco. A bíblia aberta sobre a mão espalhada de um articulista que se diz altruísta deixa claro o vírus de ignorância presente, é para todos os enganados um sinal maior de conhecimento. Da boca do altruísta sai o mal que acompanha o ser humano desde o inicio dos tempos. Todos em volta dele embebedam-se com as palavras alcoolizadas, todos em volta maquinalmente erguem para o céu as mãos, tomam pra si o ópio.

Sob os pilares de uma moderna construção na qual é visada a mais arquitetadas das construções - é preciso conforto para se garantir na ida para o céu. Cristãos dão as mãos e assim aumentam a corda dos próprios enforcamentos, os enforcamentos pelas crenças, pelos cânticos, pelos ditos, pelas hipocrisias liberadas sem noção.

O altruísta continua a fazer seu discurso com mais gestos e lagrimas do que com palavras ele faz isso sempre, ele carrega milhões proferindo asneiras e sendo o centro das atenções, ele grita alto e cita os versículos escolhidos e repetidos tantas e tantas vezes, eles expulsam demônios, eles curam, eles são milagreiros, eles são mensageiros de um deus, eles discípulos de um deus, eles são homens divinos. São imagens de um deus morto.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Dialogo com um ateísta

                                                                                   

                                                                                            Baixada Santista,



                                                                                           25 de julho de 2010

Meu caro ateísta,


Resolvi te escrever pelo fato de saber da sua ligeira tomada de decisão referente aos conceitos que rodeiam nossa vida, não somos obrigado a aceitar nada sem o verdadeiro conhecimento, sem a nossa própria idealização do fato, sem o consentimento do ego. Viver é isso meu amigo passar por cima de tudo para defender suas próprias crenças baseadas em fatos lógicos e concretos, passados por vários testes de veracidades. Nunca diga sim aquilo que você desconfia, nunca aceite nada sem antes consultar suas fontes infinitas isso é primordial, isso se chama vontade de conhecimento. Valorize e duvide de tudo aquilo que se manifesta dentro de ti, pois só assim você conseguira definir verdade de mentira e formara para toda sua vida um ideal concreto, então estará pronto para contestar com qualquer um.


A carta que você me enviou está dotada de sentimento isso mostra que um ateu não é só um intelectual trabalhado para atacar tudo direcionado contra a sua forma de pensamento, as suas crenças. O descrente é também um ser humano e a sua linha de visão totalmente diferente, pois ele ver o que os outros fazem questão de esconder. Percebi em sua carta no penúltimo parágrafo se não me engano uma grande percentual de tristeza, entendo muito bem passei por isso tantas vezes, as pessoas em volta, seus próprios familiares te olham estranhando te achando um demônio, um traidor dos preceitos ensinado por eles, um relacionamento serio é bastante complicado a compreensão em torno do assunto é complexa. É preciso muita paciência, é preciso não perder o controle, é preciso não tomar um dialogo longo com qualquer pessoa, visto que, a qualquer momento esse tipo de pessoa vai abordar o assunto que te repudia, o assunto que te faz falar sem medo, o assunto que te faz contestar a qualquer custo. Sei que vai ser dureza para você se acostumar com tudo isso, mas como já te falei é preciso, nossas verdades e dignidade estão em jogo, não somos bobos para acreditar em quaisquer besteiras que nos falam.


Senti uma firmeza revigorante em ti quando simplesmente escreveu que viver depende de escavar, escavar e escavar cada idéia que surge, pois só assim é que se chega ao magma de uma verdade esperada. Esse seu pensamento me deixou bastante satisfeito, vejo que outros além de mim vão fundo em busca do que se acredita, em busca de novos valores para poder de uma vez enterrar os velhos e esquecê-los definitivamente. Viver de fantasias é mera idoneidade para a covardia, só um covarde vive depositando fé em fantasias, só os covardes dão as mãos, ajoelham-se e sussurram tempo perdido embaixo de um templo patético. Quero te dizer meu amigo não pelo fato da minha crença em hipocrisias terem acabado há muito tempo, mas sim pela sua decisão em conhecer é pra isso que serve o dispositivo dentro de sua cabeça. Chegamos num tempo que se faz de tudo pelo capitalismo e pela lavagem cerebral que anda fazendo na maioria dos seres humanos, deram-nos a democracia apenas como plano de fundo na realidade eles querem nos fazer de fantoches e só serão transformados em fantoches de porcos criacionistas quem diz sim ao que eles chamam de verdade.


Peço que mantenha sempre contato comigo, quero saber da sua evolução em torno do que discutimos, com relação a sua família tente com um pouco mais de calma explicar seus pensamentos, talvez eles entendam e mesmo se não entender não desista lute pelos seus ideais isso é maravilhoso. Quero que assista ao filme, criação ele aborda o processo de publicação da teoria da evolução de Charles Darwin, com certeza você vai gostar e vai entender, pois sua inteligência é o diferencial não deixe isso escapar de você é fundamental para seu crescimento interior. Quando o silencio se tornar presente aproveite, nada é mais grandioso do que o silêncio em tempos de conhecimento profundo, faça do silêncio seu alimento principal e não se esqueça de pesquisar, pesquise muito, pesquise sem medo só assim se encontra o que se procura.


Atenciosamente,

                                                                                            Extemporâneo

sábado, 24 de julho de 2010

Os livros


Uma vez minha mãe me chamou para jantar, eu me recusei
Preferi ficar degustando MENINO DE ENGENHO
de José Lins do Rego e ela disse: “Quero só ver se você vai comer livro
a vida inteira e se os livros vão de te dar a alimentação
Que precisa”. Hoje o que mais sei é ler e é bem verdade que ela estava certa
Foi nos livros que sempre encontrei o alimento rico em proteínas.
Os livros me dão conhecimento e esse é o único alimento que me sustenta
E me protege contra os ignorantes de berço.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Limpeza de chaminé


Ir ao espelho no final de cada dia
E confidenciar a sua semelhante imagem
Todos os distúrbios dos pensamentos
Em determinado dia, tudo o que faz
A cabeça parecer está cheia. Como se
Fosse uma lareira se não limpamos
A chaminé ela acumula sujeira e acaba

Não conseguindo expulsar a fumaça
E essa mesma fumaça ao invés de sair
Retorna para dentro causando mal estar
E desconforto para o interior. Nossa cabeça
É essa chaminé e se não eliminarmos
Todos os pensamentos que causa
Desconforto, que deprime que é danoso
Para o desenvolvimento da essência mental.
Acabamos por desenvolver o estresse
E ele se intensifica a cada acumulação
De sujeira mental.

Limpar chaminé e expulsar todo o pensamento
Sem proveito, aqueles inúteis, aqueles sem
Conjunção, sem articulação. Limpar chaminé
Eliminar o desconforto e proporcionar o surgimento
de novas idéias.


Titulo tirado do livro QUANDO NIETZSCHE CHOROU que em um dos capítulos Breuer médico Italiano e um dos pais da psicanálise, diz ter curado um paciente através do método da limpeza de chaminé. E que mais tarde no decorrer do livro ele mesmo se submeteria a esse processo sendo eficaz não só para ele, mas para Nietzsche também.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Chispa o martelo


1. “Fique com Deus”, “vá com Deus”. Qual Deus? O Deus dos inebriados? Duas formas de falsidades humanas, duas formas de desvio moral, dois vícios Habituais que irritam, duas formas de praguejar quem fica e quem vai.


2. Não posso ainda me dizer sapiente, mas tenho dentro de mim vontade
De conhecer e algumas verdades formuladas capazes de derrubar ídolos.


3. O viver além dos Alpes nas mais altas montanhas alguns são destinados
A tão gloriosa aventura, que o diga o meu pai. A sabedoria está nós Alpes,
Falo da sabedoria espirituosa a que leva o principio de verdade homogênea.


4. Não a maior prazer que a de derrubar ídolos frentes a crentes ridículos.

Das hipocrisias em minha volta


Estou rodeado de hipocrisias e isso me perturba tanto quanto um piolho no couro cabeludo. Ter que ouvir asneiras que alguns insignificantes sem total razão liberam de suas labutas bucais escandalosas é de mais pra mim, um imoralista. Quanto mais tento me manter distante mais vírus pestilentos aproximam-se de mim a corroer meu silêncio, a agarrar minha vontade de aniquilar, de dizer tudo que penso sem economizar palavras e enterrar de vez o verme sem alguma chance de se levantar.

Está em minha casa dentro de uma caixa de som e imagem, está em volta da minha casa na igreja ao lado do pastor que berra incessantemente, está em meu trabalho, está em minha volta, está em qualquer lugar por que o ser humano com sua sabedoria de asno são as próprias hipocrisias, carregam os trapos de verdades, comem e bebem dessas verdades bebem em demasia e se inebriam. Fazer parte de uma sociedade que crer em tudo que ouve, fala o que não entende, transmite o distorcido mais distorcido ainda e não aceitam de forma alguma a realidade lógica das coisas. Viver ao lado desses semeadores da podre verdade é tarefa difícil e agonizante.

Queria não depender do capitalismo, assim seria um homem livre para viver distante de qualquer forma de vida, pois para os hipócritas 10.000 mil quilômetros distantes de mim são pouco. É fator marcante mencionar Robson Crusoé e sua hipocrisia vergonhosa quando preso em sua ilha deserta distante de qualquer forma de vida que não fosse à dos primatas, não soube viver em harmonia com a natureza, não suportou a distancia dos seus semelhantes e quase chegou ao ponto de enlouquecer, chorou, chamou pelo imaginário e aumentou ainda mais suas ilusões sem lógica em torno do divino, em torno do crucificado. Conclusão: um homem hipócrita torna-se mais hipócrita quando afastado da sociedade, quando povoa em seus sentimentos a solidão, quando não a mais pra quem titubear, enganar e direcionar sua falências de pensamentos. O contato humano vicia e derruba o homem fraco, o homem sem a liberdade do seu próprio ego.

Como Nietzsche escreveu em uma de suas obras mais fantástica o Ecce Homo sobre outro livro Humano, demasiado humano: “Onde vós vedes coisas ideias, eu vejo coisas humanas, ah, coisas demasiado humanas!” em tudo que se enlaça ao homem é demasiado em se tratando de falsas verdades. O óbvio é bem difícil de ser enxergado, todos comem de verdades ilógicas pelo simples motivo de não enxergarem o óbvio ofuscando em suas caras pálidas e ainda pisam e repisam por sobre elas. Viver ao lado do populacho é algo viscoso e nojento que me enoja sempre.

terça-feira, 13 de julho de 2010

O ser falso


Deplorável. Esse o adjetivo cabível aos falsos que bóiam em sociedade
Eles acham que podem comprar qualquer um com palavras,
Com um venha a mim, com um humor hediondo de hipocrisia,
Com qualquer tolice que solta da boca.
Falsidade é sistema canalizado para desvio de padrão, para o
Corropimento, para o enganar, para se ter vantagem sobre seu adversário
Esses são seus conceitos mais adequados.
O ser humano tem em sua vivencia a vergonhosa capacidade
De ter varias faces com o intuito perspicaz e mesquinho
Para conquistar o território considerado inimigo.
Deplorável o ser que se utiliza da falsidade para sustentar suas mentiras.
A miséria nasce disso, a miséria do pensar se alastra alcançando
A estrutura cerebral que logo se torna pútrida. O ser falso
É também um ser completamente podre.